Cultura e Educação

Saiba tudo sobre os projetos apoiados pela Fundação Galp na área da Cultura e da Educação.
Cultura e Educação

IMC - Instituto dos Museus e da Conservação

A Fundação Galp criou um protocolo com o IMC - Instituto dos Museus e da Conservação, no âmbito da preservação do Património Nacional, que contemplou o restauro integral e a reconstituição histórica da Sala D. João VI, do Palácio Nacional da Ajuda, enquadrada nas Comemorações dos 200 Anos da Viagem da Família Real para o Brasil. Foi, aliás neste espaço que, em outubro de 2009, a Fundação Galp Energia foi oficialmente apresentada ao público.

Saiba mais sobre a reconstituição histórica da Sala D. João VI.

Após a recuperação integral das pinturas murais, em 2012 decorreu a intervenção de restauro do teto. Em 2013 realizou-se o restauro dos três grandes lustres que ornamentam a sala, no período em que decorreu a exposição da artista plástica Joana Vasconcelos.

Casa da Música

Após dois anos de Mecenato ao Ciclo de Jazz Galp, a Fundação Galp assumiu em 2012 o papel de Parceiro do Serviço Educativo da Casa da Música. Este projeto mais amplo de apoio à cultura musical centra-se na componente didática do convívio com a arte musical.

Com um programa de reconhecido mérito nacional e internacional, o Serviço Educativo proporciona, a todos os públicos, experiências que levam à descoberta da música como universo de prazer e conhecimento, de realização pessoal e comunicação com o outro.

Saiba mais sobre o apoio da FGE, em 2010 e 2011, ao Ciclo Jazz Galp.

Saiba mais sobre o apoio da FGE, a partir de 2012, ao Serviço Educativo.

Leilão Solidário Art on Chairs

No âmbito da iniciativa Duets/Art on Chairs, promovida pelo Município de Paredes no final de 2012, foram desafiados onze artistas nacionais a desenharem cadeiras únicas para onze individualidades de comprovado mérito em diversas áreas da sociedade.

A Fundação Galp participou neste evento ao licitar a cadeira criada pelo designer Paulo Lobo, a qual teve por inspiração a figura do Professor Aníbal Cavaco Silva.

Esta ação permitiu que a Fundação colaborasse numa iniciativa inovadora de exploração de sinergias entre as artes/design e a solidariedade, apoiando, simultaneamente, o trabalho do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), entidade para a qual reverteram os fundos angariados.

Já em 2013, a Fundação Galp fez a doação da cadeira licitada ao Museu da Presidência da República numa cerimónia simples que contou com a presença do Sr. Presidente da República, do Presidente da CM de Paredes e de membros do Conselho de Administração da Fundação Galp Energia.

Coleção de Livros de História da Galp Energia

Com o objetivo de divulgar a história do Grupo Galp Energia e os marcos mais importantes da sua atividade que influenciaram o país, a Fundação Galp lançou, no final de 2011, o primeiro livro de uma coleção de livros de História da empresa. Intitulado O Nosso Tempo, retrata toda a história da Galp Energia, remontando às origens em 1846, com a constituição da Companhia Lisbonense d’Iluminação a Gaz.

A coleção será composta por 6 edições:

Vidas Galp

Iniciado em 2004, o projeto “Vidas Galp” tem como objetivo principal o resgate da história da empresa através do testemunho dos seus protagonistas – os colaboradores. O “Vidas Galp” é, desde 2009, apoiado pela Fundação Galp.

Os trabalhos de registo de testemunhos em áudio e em vídeo, a recolha de fotografias, documentos antigos, vídeos institucionais e publicitários e brochuras continuam a enriquecer o acervo histórico já existente. Parte deste acervo encontra-se disponível no Museu Virtual, na plataforma eletrónica http://vidas.galpenergia.com, permitindo à comunidade em geral conhecer a identidade, cultura e história da Galp Energia.

Tendo consciência da importância da preservação e divulgação da memória histórica, no âmbito do setor da energia, a Fundação dedica-se não só à recolha, catalogação e recuperação do espólio industrial documental e fotográfico, mas também de peças e objetos históricos.

Obras de arte

A promoção e conservação do património histórico e artístico é um dos eixos de atuação mais importantes da Fundação Galp Energia.

Ver galeria

Histórico

Esta parceria plurianual com a ABAE (Associação Bandeira Azul da Europa), que decorreu entre 2009 a 2011, teve como finalidade contribuir para a educação ambiental de crianças e jovens.

O projeto envolveu a criação de um portal na internet especialmente dedicado à comunidade escolar – a “Escola da Energia Galp” e o lançamento de concursos para trabalhos escolares sobre temas como a utilização da energia, a eficiência energética, a mobilidade sustentável e as alterações climáticas, sempre numa perspetiva de promover a alteração de comportamentos.

A Universidade Portuguesa teve a sua origem em Lisboa, em 1288-1290, e só foi transferida definitivamente para Coimbra em 1537.

A atual Universidade de Lisboa foi criada por decreto de 22 de março de 1911, reunindo os vários estudos superiores reaparecidos na capital durante o século XIX.

A Fundação Galp associou-se às comemorações do primeiro centenário da Universidade de Lisboa, que se assinalou em 2011, apoiando, neste sentido, as iniciativas desenvolvidas ao longo de todo o ano.

2011 marcou o aniversário do primeiro centenário da Universidade do Porto. Com efeito, 22 março de 1911 é a data que os livros e arquivos de História assinalam como o primeiro dia da vida da Universidade do Porto. Contudo, as raízes da instituição remontam ao século XVIII e a uma combinação de experiências formativas que viria a projetar-se na futura Universidade.

O primeiro embrião do Ensino Superior no Porto data de 1762. Desde esse foco seminal, foram muitos os momentos que marcaram a vida da Universidade, com natural destaque para a criação das 14 faculdades que coabitam hoje no campus.

Ciente da vitalidade e importância da Universidade do Porto na sociedade portuguesa, a Fundação Galp apoiou as comemorações do primeiro centenário da histórica universidade portuense.

A Fundação Galp apoiou e promoveu a exposição de fotografia de Francisco Calado, intitulada “Olhares na Natureza”.

A exposição contou com trinta fotografias que retratam a perspetiva pessoal que Francisco Calado tem da natureza através da sua objetiva.

Com fotografias de rara beleza e extraordinária qualidade, a exposição decorreu em Lisboa, na sala polivalente da torre A, entre 16 e 27 de maio de 2011.

Mecenato ao IASI – International Institute for Asian Studies and Interchange, com vista à promoção e apoio financeiro ao projeto “Arquivo e Biblioteca Timor-Leste”.

Este projeto, que decorreu entre 2009 e 2011, consistiu na organização, catalogação, digitalização e atualização de diferentes materiais, bem como de documentação diversa sobre Timor-Leste, Indonésia e a Região, a fim de, no prazo de 10 anos, este acervo poder ser transferido para Timor-Leste.

Apoio mecenático ao Museu do Douro, entre 2009 e 2010, com vista à preservação do património cultural e natural Duriense, ao desempenho de um papel ativo no desenvolvimento sócio-cultural da Região Demarcada do Douro e ao desenvolvimento da investigação sobre a Região e o seu património.

Foi criada uma Parceria com a Fundação Mário Soares – Biblioteca e Arquivo para recuperação do espólio documental da Galp, através da sua inventariação, descrição, catalogação e tratamento.

O objetivo foi o aproveitamento museológico dos elementos documentais do património industrial e comercial do grupo Galp.

Em 2004, iniciou-se um longo processo de recolha das memórias dos protagonistas do desenvolvimento da empresa, ou seja, os colaboradores (reformados ou ativos).

Procura-se partilhar no espaço Vidas Galp as vivências, opiniões e sentimentos registados em áudio e em vídeo, sempre contextualizados por uma significativa investigação histórica.

De 17 de setembro a 17 de outubro de 2010, o Palácio Quintela, no Chiado (Lisboa), acolheu a exposição Pontes Para Um Futuro Mais Positivo: 54 propostas para uma ponte pedonal e ciclável sobre a 2ª circular em Lisboa.

Estes projetos resultaram do Concurso Internacional de Ideias lançado em julho de 2009 pela Fundação Galp em parceria com a EXD’09 – Experimenta Design 2009 –, que desafiou arquitetos e engenheiros a projetar um novo equipamento para a cidade.

Possibilitando a travessia da 2ª circular em bicicleta, esta ponte constituirá um estímulo à mobilidade urbana sustentável, bem como um legado para Lisboa e seus habitantes. Refletindo preocupações ambientais ligadas à eficiência energética, os projetos teriam de ser sustentáveis ao nível de execução e manutenção, sendo valorizada a utilização de materiais inovadores, bem como a inserção urbana e enquadramento paisagístico.

A exposição Pontes para um Futuro mais Positivo apresenta, através de maquetas e painéis, grande parte dos projetos submetidos a concurso por arquitetos e ateliers de vários países, dos quais se encontram representados Bangladesh, Brasil, Bélgica, Espanha, Índia, Itália, Israel, Jordânia, Macau, Portugal, Reino Unido e Tunísia.

Sendo o slogan “It’s about time” o fio condutor da bienal, a Fundação Galp decidiu apostar em ações que também perdurassem no tempo, não se centrando apenas numa intervenção expositiva e institucional.

“It’s about time to be positive” foi o conceito criado pela Fundação Galp para dinamizar na Experimenta Design duas iniciativas que reforçam a ligação da Fundação Galp ao mundo das artes e do design, contribuindo igualmente para promover a eficiência energética e a sustentabilidade ambiental.

O objetivo foi alcançado através da disponibilização de bicicletas - Bikeshare e do lançamento do concurso para o projeto intitulado “Pontes para um futuro mais positivo”. Confira mais abaixo a informação sobre este concurso.

Concurso “Pontes para um futuro mais positivo” lançado aquando da realização da Experimenta Design 09 – direcionado aos profissionais de arquitetura e engenharia portugueses e estrangeiros para projetarem um novo equipamento de mobilidade sustentável em Lisboa.

O desenvolvimento deste concurso teve como objetivo a futura construção de uma ponte ciclável e pedonal sobre a 2ª Circular, visando facilitar a travessia de bicicletas e peões e, ao mesmo tempo, potenciar a circulação urbana de reduzido impacto ambiental. Além disso o projeto iria constituir um novo legado para a capital portuguesa e seus habitantes.

Para além da criatividade e engenho demonstrados nas propostas, a avaliação dos projetos incidiu também na capacidade dos candidatos para incorporar soluções de eficiência energética, bem como a sustentabilidade dos materiais selecionados.

Imprimir

Partilhar: