Entidade de Outubro de 2011

Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV)

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) é uma instituição particular de solidariedade social (IPSS) que tem como objectivo estatutário promover e contribuir para a informação, proteção e apoio aos cidadãos vítimas de infracções penais.

Fundada em 25 de Junho de 1990 é uma instituição de âmbito nacional, cuja missão de proteção e apoio às vítimas de crime é indispensável na sociedade portuguesa. Provam-no o número crescente de processos de apoio a cidadãos (cerca de 104.567 processos, correspondentes a um universo estimado de quase 210.000 pessoas).

A sua missão é apoiar pessoas que foram, ou são, vítimas de um crime, e seus familiares, prestando-lhes serviços de qualidade, gratuitos e confidenciais, contribuindo para o aperfeiçoamento das políticas públicas, sociais e privadas centradas no estatuto da vítima. A APAV promove, assim 3 tipos de apoio: jurídico, psicológico e social.

A associação é composta por 15 gabinetes, distribuídos por diversos pontos do país, duas Casas Abrigo para Mulheres e Crianças Vítimas de Violência, um Centro Local de Apoio à Integração de Imigrantes (em Vila Real) (CLAII), uma Unidade de Apoio à Vítima Imigrante e de Discriminação Racial ou Étnica (UAVIDRE), e uma estrutura nos Açores, denominada APAV Açores.

     

 

Principais Projetos:

Campanha de Prevenção e Sensibilização Pública sobre a Violência contra as Pessoas Idosas


Suportando-se nos dados estatísticos que indicam que, em 2009, 639 pessoas idosas foram vítimas de violência, ou seja, cerca de 13 pessoas por semana (em média, duas por dia), a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima lançou recentemente uma Campanha de Prevenção e Sensibilização Pública sobre a Violência contra as Pessoas Idosas.

Esta campanha é um desafio complexo, sobretudo por ser particularmente difícil o contacto com as vítimas, quer pela dificuldade destas em participarem a denúncia, mas também pelo facto de a sociedade portuguesa ainda não estar sensibilizada para esta questão. Atualmente, apesar de se notar uma maior preocupação, o desafio permanece, sendo necessária uma maior consciencialização da população para esta problemática 

Assim, a APAV no âmbito da sua atuação tem-se envolvido numa série de intervenções de marketing distintas, tais como palestras, ações de formação, participação em feiras de solidariedade, produção e distribuição de material informativo (folhetos e cartazes), entre outros. Estas divulgações permitem aumentar a capacidade de identificação desta problemática a nível nacional e consequentemente possibilitar uma evolução da sua própria missão de apoiar as vítimas de crime.

Rede nacional de Casas de Abrigo para Mulheres e Crianças Vítimas de Violência



Um outro projeto prende-se com a rede nacional de Casas de Abrigo para Mulheres e Crianças Vítimas de Violência para o seu acolhimento temporário, nomeadamente de maus tratos físicos ou psicológicos e crimes sexuais, com ou sem filhos, para situações de urgência, de transição e provisório e/ou prolongado na intervenção em crise.

Este é o passo essencial para possibilitar uma resposta mais completa e útil à população vítima de crime, pois representa a continuidade de um esforço de combate à violência doméstica e à violência de género, possibilitando a ruptura com a situação de violência prolongada.

Desta forma, são criados os meios para que as vítimas possam exercer os seus direitos fundamentais e constitucionais num projeto de vida sem violência.

Acolhendo 25 mulheres e/ou crianças vítimas de crime, esta rede nacional de casas de abrigo apresenta-se naturalmente desgastada. Para uma continuidade é necessária uma constante reestruturação nas infraestruturas interiores e exteriores, como a manutenção do Jardim, a pintura de paredes e requalificação da fachada, o reforço de segurança mediante situações de perigo que possam suceder, remodelação do espaço de atendimento a crianças e reorganização do espaço de lazer para crianças e adultos, entre outros.

Como pode ajudar a APAV?

Pode contribuir para o trabalho da APAV das seguintes formas:

  • Voluntários APAV são a força solidária da APAV e a razão do seu sucesso, disponibilizando determinadas horas por semana para apoiarem gratuitamente as vítimas de crime.
  • Donativos, em dinheiro, bens ou serviços
  • Associados da APAV: Podem ser associados as pessoas singulares maiores e as empresas e outras pessoas colectivas, mediante o pagamento das seguintes quotas anuais:
    • Associado singular: 25€ / ano
    • Associado colectivo: 700€ / ano
  • Amigos PRO BONO da APAV são profissionais qualificados numa das áreas especializadas da APAV (advocacia; psicologia clínica; especialistas de marketing; designers; informáticos; médicos; entre outros) que não podendo dispor de horas por semana para estar presencialmente na APAV a apoiar as suas atividades dispõem-se a colaborar voluntariamente através do seu trabalho especializado.

 

Para mais informações, visite o site da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima: https://apav.pt/apav_v3/index.php/pt/.

Imprimir

Partilhar: