Energia e Ambiente

Energia Sustentável

É com a missão de promover o acesso universal a fontes de energia sustentáveis que a Fundação Galp fomenta iniciativas de desenvolvimento energético para as comunidades onde está presente.

Fumukaba

O Projeto Fumukaba consiste na substituição de carvão vegetal e lenha  por gás butano na confeção de alimentos em agregados familiares da Guiné-Bissau. Enquadrado nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável que orientam a Fundação Galp, o projeto permitirá o uso de energia mais limpa, segura e com um impacto positivo na qualidade de vida.  

Saiba mais.

Energiza

A Fundação Galp lança o Projeto Energiza, que visa, pela primeira vez, o acesso a energia elétrica através da instalação de sistemas solares fotovoltaicos em comunidades das províncias de Cabo Delgado, Manica e Sofala, em Moçambique. O projeto permitirá a estas comunidades a melhoria da qualidade de serviços essenciais ao seu desenvolvimento social e económico, educação e saúde.

Saiba mais.

Terra de Esperança

A iniciativa Terra de Esperança nasceu de uma parceria entre a Fundação Galp e a ANEFA para reflorestar áreas atingidas pelos incêndios que afetaram Portugal, através do qual a Galp doou à associação 500 mil árvores de espécies autóctones. No âmbito desta iniciativa, dinamizámos a maior ação de voluntariado ambiental alguma vez realizada no país, envolvemos mais de 3000 pessoas, plantámos um total de 80.000 árvores e reflorestámos mais de 74 hectares.

Mobilidade Sustentável: Ponte pedonal e ciclável sobre a 2ª Circular

Com o intuito de promover a mobilidade sustentável na cidade de Lisboa foi inaugurada, no início de 2015, uma ponte ciclável sobre a Segunda Circular. O projeto surge na sequência de um concurso internacional “Pontes para um futuro mais positivo”, lançado em 2009 pela Fundação Galp em colaboração com a Experimenta Design - EXD’09. A ponte estabelece a ligação entre o Campo Grande, Benfica e o Estádio Universitário, numa extensão ciclável contínua de cerca de nove quilómetros, contribuindo para alargar a malha da rede de ciclovias, promovendo assim a mobilidade sustentável na cidade de Lisboa.

Veja aqui o vídeo do projeto

Histórico

A Aliança para a Prevenção Rodoviária foi um programa plurianual multi-stakeholder que teve como missão mobilizar a sociedade em torno da problemática da Segurança e Prevenção Rodoviária. Para tal foram criadas condições para a investigação, sensibilização e ação nesse âmbito, com vista à melhoria do comportamento dos condutores no trânsito.

A par da Galp, da Direcção-Geral de Saúde, da Autoridade Nacional para a Segurança Rodoviária e da Sair da Casca, a Fundação Galp Energia foi membro da Direção deste projeto, tendo financiado o maior e mais completo estudo, nos últimos 10 anos sobre as atitudes e comportamentos declarados dos portugueses face à sinistralidade rodoviária (desenvolvido com o parceiro académico ISCTE-IUL).

Inauguradas em Setembro de 2011, as ciclovias resultam de um Protocolo estabelecido com a Câmara Municipal de Lisboa. Este projeto surge com o intuito de sensibilizar a população, apoiar a preservação do ambiente e, simultaneamente, promover a saúde e o desporto na comunidade.

O troço, que se situa em zona residencial perto de escolas e escritórios, tem grande potencial de utilização e permite potenciar circulações quotidianas casa-trabalho mas também de lazer, ligando parques e jardins.

Reconhecendo a importância do desenvolvimento de ações de conservação e promoção da biodiversidade, a Fundação Galp Energia apoiou, entre 2009 e 2010, a implementação do Projeto M@rbis-NATURA 2000 – o Sistema de Informação para a Biodiversidade Marinha, aprovado no âmbito do Plano de Ação da Comissão Interministerial para os Assuntos do Mar (2008/2020).

Este projeto visa a organização e sistematização da informação científica existente sobre a biodiversidade marinha dos oceanos sob jurisdição Nacional, incluindo a criação de um sistema de informação integrado sobre a biodiversidade marinha, bases de dados e ainda uma rede de partilha de informação entre instituições.

No seguimento da forte aposta da Fundação Galp em sensibilizar a comunidade para o tema ambiental e promover a mobilidade urbana mais sustentável, a Experimenta Design 09 (Bienal que decorreu entre setembro e novembro de 2009) foi contemplada com 40 bicicletas distribuídas pelos diferentes espaços do evento, que estiveram à disposição dos visitantes para se deslocarem gratuitamente na exposição.

O conceito de partilha foi igualmente potenciado, dado que 20 dessas bicicletas eram de 2 lugares. As referidas bicicletas foram previamente alvo de uma intervenção artística exclusiva por jovens designers selecionados do Instituto de Artes e Design (IADE), numa tentativa de aproximação do meio universitário à realidade empresarial.

Concurso de ideias de Mobilidade Sustentável desenvolvido em parceria com o MAOTDR – Ministério do Ambiente e Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional, e a APA – Agência Portuguesa do Ambiente, em conjunto com as Autarquias a nível Nacional lançado em 2009.

O concurso sob o tema "Ideias para o ar por um projeto para ficar" destinou-se a premiar o projeto de medida permanente que, de forma mais eficiente, promovesse uma melhoria da qualidade atmosférica da(s) cidade(s), explorando a questão da mobilidade urbana numa vertente de sustentabilidade.

A votação on-line entretanto efetuada premiou a autarquia de Almada com o projeto “Bicla Tejo”, um percurso pedonal e ciclável que liga a Trafaria e a Costa da Caparica, com articulação entre a ligação fluvial Belém - Trafaria e o corredor da ciclovia.

No sentido de estreitar a sua relação com a comunidade científica nacional, a Fundação Galp associou-se à Sociedade Portuguesa de Física, tendo lançado, no final de 2011, o "Concurso “Mais Energia”.

Este concurso teve como objetivo premiar os melhores trabalhos de alunos e jovens investigadores do Ensino Superior na área da conversão e gestão de Energia, e as melhores abordagens ao tema feitas em sala de aula por professores do ensino secundário.

Os trabalhos submetidos a concurso foram analisados e selecionados pelo júri - composto por reconhecidas personalidades da comunidade científica e académica e por especialistas na área da energia – tendo sido apurados os vencedores e entregues os respetivos prémios monetários em 2013.

Imprimir

Partilhar: